quinta-feira, 9 de outubro de 2008

PARA NÃO DIZER DE TE USO


Quando você liga minha alma grita.Me pedindo p/ voltar e me chama de desgraçado por eu não quere mais falar , e depois se me chamar de insensível saiba baby eu não vou mais querer te usar você p/ mim não passar de uma objeto sexual ver você sugando ai me filha e eu me sentido o tal e ainda exige de mim todo o prazer fique quieta baby pois eu vou de entreter com toda minha virilidade e você sempre ficando a vontade.
Sua alma é parva e inútil o que eu quero de c minha filhe é ficar entre seus glúteos, fazer você sentir prazer e dor e fingir a existência de um grande amor
Enzo de marco

7 comentários:

o campo dos girassois disse...

Uma critica estética é algo mais que a identificação ou não com aquilo que se critica? A sinceridade em arte´denota amizade, sinceridade ou pretensão? Bom, não tenho essas respostas, mas diria que há algo nas coisas que escreves que são recorrentes.Uma tendencia a ver as relações entre os sexos sob uma ótica que tem um efeito bom quando utilizada de maneira pontual e sutil,mas que usada em demasia tranparece pobreza temática e um certo resentimento (não que haja algum problema com isso hehe).
Qaunto ao estilo, éo que já falei você tem melhorado muito mas as vezes falta fluidez, descrições que ambientem a narrativa sabe... a construção do personagem..é preciso que o leitoe se envolva com a situação que a sinta na carne...

Bom, já falei demais e no fundo , no fundo escrevemos só para continuar respirando.

Forza sempre

jorginho da hora disse...

Essa ultima aí de leal: Escrevemos apenas para continuar respirando, acertou no "alvaro" da minha testa.
Quanto a vc, autentico filho de cain, Gosto do que escreve.E De uma forma ou de outra, tudo ou quase tudo Que escrevemos é sincero sim. Na verdade, não existe ficção. Quando o vilão olha para o "s" no peito do super-homem e diz: "Super-homem! Mas que nomezinho pretensioso você arrumou", isso é sincero, E o autor não tem como evitar. O que eu discuto nesse sentido, portanto, não é o que o cara escreve,mas sim suas verdadeiras intenções em relação ao objetivo da obra. geralmente é nessa parte que o artista não é sincero. Sempre nos apresenta motivos nobres.

gilson figueiredo disse...

o texto não um dos seus melhores............

gilson figueiredo disse...

ah, não havia reparado no quento Leal é diletante.... será q tem cura????

Garota do jornal disse...

Definitivamente, ele sabe o que quer.

luzdosolnumburacodenuvem disse...

No meio dos Stravinskis de Enzo, esse conto ai é um solo destruidor do Jimmi Hendrix. COmo sou afeito a terremotos e tsunamis...gostei!

o campo dos girassois disse...

A inépcia não se critica, mas o brio demonstra-se fazendo. Pensar-se Gênio, raro, nobre? pessoa já dizia " Quantos milhares não há que nesse momento pensam-se gênios como eu". O que se é ou se deixa de ser para si mesmo pouco importa em arte, musica, filosofia ou poesia. É o resultado contingente e concreto do que fazemos é que nos coloca na estrada ou nos atira do precipício...e quanto aos "simples"??? ahahaha existe muito espaço nas igrejas para eles. TENHO DITO