segunda-feira, 9 de março de 2009

O LOBO DA ESTEPE



Os dias são sempre quentes , na verdade todos os dias são realmente muitos quentes e solitarios ...
Durante o dia entrega-se completamente ao seu oficio, sem olhar para trás e nem maldizer os outros... Algumas pessoas o acham esquisito. Ah que tolos, ele apenas é, pelo menos tentar ser sempre sincero com as pessoas, infelizmente percebe que tudo conspira contra, a cada dia que passa acredita que as pessoas tem necessidade de mentir, não há culpados nisso, acredita ser inerente ao homem.
Alguns o admiram, outros o odeiam e alguns apenas o ignoram. Acredita sempre nas pessoas, acredita muito no poder da união, embora tem plena consciencia que cada um carrega a sua propria cruz , seu proprio fardo. Já pela noite ao som da velha Holiday degusta um bom vinho, sente-se só e no balanço do jazz ele chora , longe da garota , dos livros e dos amigos .
Observa a lua, as estrelas e o horizonte, constuindo com nobreza o seu destino , escrevendo pequenos contos , acreditando no amor e na mudança .
Enzo de Marco

5 comentários:

Mariana disse...

Continue escrevendo contos e acreditando no amor e na mudança! Crença necessária!

Shagaly disse...

Esse é vc, né?

Interessante quando o indivíduo fala de si mesmo na terceira pessoa. Eh uma forma de praticar o olhar do outro sobre nós.

jorginho da hora disse...

Ah, lobo da estepe, sei muito bem o que é isso. Não se encaixar em lugar nenhum. No meu caso, não reclamo, pois isso, no fundo, me dá uma grande satisfação.No entanto, não me iludo achando que isso me faz diferente dos outros mortais.

Rafael Medeiros disse...

Esse texto deixou na minha boca um gosto acri-doce. Um amargor belo como um dia denso e nublado. Um peso leve como uma bigorna de isopor. E uma sensação de água fresca sobre a fronte num dia quente(pois são todos quentes...), que me enche de novas forças e coragem para prosseguir, e "simplesmente, ser"...

Umfortíssimo abraço. Do teu amigo distante, Rafael.

nilmafono disse...

Só tenho a compartilhar das suas lágrimas...