quarta-feira, 3 de junho de 2009

Conversações sobre ayauaska



(em Busca de um Aliado)


Gostaria de poder escrever coisas belas, coisas sobre a terra, o céu e a imensidão do mar, sobre o brilho do sol e sobre a magnífica lua, no entanto os meus olhos deficientes que a cada ano me torna incapaz graças a virulenta miopia que me acompanha desde os tempos da minha infância onde era proibido que brincar com os meninos da minha rua, me impedem de observar a vida.

Lá rua lá fora na rua, as moças na sua grande maioria só são de cama e mesa, daquelas que depois de usadas você escolhe se guarda ou se joga na lata do lixo. E daí, vejo meus amigos construrindo coisa, projetando vidas sendo inteiramente comuns.
Hoje eu tive a ligeira sensação de estar vivo e isso não foi muito bom... Vi meus amigos comprando carros, foi quando uma cena me chamou à atenção, vi pela janela na minha casa um monte de roupas brincando de viver, todas bebericando e rindo se balançando as som do vento. È tarde e amanha preciso trabalhar, sair cedo e ouvir pessoas que sofrem muito falar de suas dores com ostentação e resignação com a singela esperança de que em 2020 comprariam uns carros para continuar a viveram suas vidas tranqüilas.

Mais que merda no compasso Burroughs, gostaria ter uma dose que ayauaska, talvez abrisse a minha mente levaria ao encontro com Deus e me levaria a ter toda essa experiência.

Auforimas embalados pelo suing da Velha Holiday Sairia com meus amigos e sonhos com dias melhores onde a noite será nossa amiga e o vinho Continuará sendo uma ótima companhia... Mesmo numa segunda.

Enzo de Marco

4 comentários:

gilson figueiredo disse...

i like this...

como está figura mefistofélica?

não deixe de ler & comentar o maior poeta da Bahia: hahahahahahahaahahah

bjo!!

http://3navegacao.blogspot.com/

Rafael Medeiros dos Santos disse...

Eu não acredito num deus que não saiba dançar
Eu não acredito numa verdade que não saiba dançar
Eu não acredito numa matéria que não saiba dançar
Eu não acredito numa essência que não saiba dançar
Eu não acredito num Eu que não saiba dançar
Eu não acredito num acreditar que não saiba dançar

Eu só acredito na mudança
E em tudo que dança...

Rafael Medeiros dos Santos disse...

Um forte abraço. Se quiser ir lá na União do Vegetal, providencia-se. A Ayuaska destrava tudo mesmo. Voce continua nesse velho mundo de sempre, mas algum troço muda rapaz...

jorginho da hora disse...

"Um monte de roupas brincando de viver". Adorei isso!
Quanto ao resto, fica claro que de cego vosmicê não tem nada.

Um abraço!