quarta-feira, 2 de junho de 2010

Uma garrafa e uma vida em uma Praia Qualquer




...It´s The End....

Numa vitrola bem antiga a musica toca e me faz relembrar das palavras ouvidas.
Um gosto azedo na boca, um charuto e uma garrafa de vinho bem fulêra sentando numa poltrona bem velha , tento como companhia idiota sentimento de culpa de algo que nem sei o que é, Só sei que desencadeou um monte de sentimento que a muito vivo lutando . Eh ! Talvez você esteja certíssimo, aqueles adjetivos que me foram presenteados caibam perfeitamente a minha personalidade ( idiota, cafajeste, porco machista, egoista e sobretudo pretensioso). Não!!!. E longe de mim acreditar que esteja fazendo o papel do injustiçado, pois tenho certeza de que neste grande monte de merda todos somos culpados . Este escrito pode ser soar até com um escrito reativo, mais reativa a quê ?
Escuto coisas Leio texto e tenho a arrogância de escrever pequenas idiossincrasias. Mais atire a primeira pedra aquele que não faz isso, seja um baba, um copo de cerveja, um trabalho etc....
Porra ainda estou aqui e meus olhos agora doem, e a tosse ainda é forte, pigarreio e algo me preocupa. – um gosto esquisito de sangue se espalha pela minha boca, tenho medo que de algo esteja errado. O vinho esta terminando e ainda tem muito para pensar... Na porra do trabalho que me esfola todos os dias, nos escritos e nos desejos...
Às vezes penso que tudo isso é um grande sonho, ou melhor, um grande pesadelo, (tola Ilusão ) é a mente tem dessas coisas.
Ontem na Faculdade aquela professora me deu seu telefone, me disse que gostaria muito que eu ligasse para, ela me disse que tenho a boca e o cabelo lindo e que tínhamos muita coisa em comum, acho que ela não tem a mínima idéia de que é feito a minha alma . Mesmo assim acho que vou ligar às vezes é bom se sentir objeto de desejo (mesmo que seja fisicamente) de outra pessoa..

Me chamo Cristian, Cronologicamente tenho 20 anos no entanto, sinto no meu lombo o peso de 50 anos, moro numa cidade litorânea, talvez você me conheça, talvez já tenha me visto, talvez nunca me verá ...
Felicidades
04/06/1969
Cristian


Muitos certamente não acreditarão mais encontrei essa carta numa garrafa de vinho tampada em uma praia localizada no subúrbio ferroviário de Salvador, em uma tarde dessa qualquer que sair para ver o pôr do sol. Gostaria muito de conhecer o escritor dessa carta...



Enzo de marco

4 comentários:

Rammed disse...

Esse eu vou ler em casa ouvindo meu velho blues.

Quanto a abandonar o meu blog...acho que não dá mesmo para abandonar esse vício narcisista-catártico, hahaha

Quanto à importância mútua dos nossos escritos. Concordo plenamente. Somos uma seita cainita pós moderna. Sem bíblia nem templo. A não ser que o templo seja o bar, e a bíblia seja o Cânone dos Fudidos (Buk, Albino, Baudelaire, Kerouac e caterva).

Forte abraço. Vida longa à Grã Ordem!

"Quanto menos inteligente um homem é, menos misteriosa lhe parece a existência."

Arthur Schopenhauer

Rammed Blackwolf disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Beatriz disse...

Isso é fato? Eu não encontro nenhuma raridade dessas por aqui. Adoro essas coisas: mais emoção que palavras. Ou mais palavras que emoções [ agora não sei ao certo ].
Quem é que se atreve a entender a alma? Especula-se, apenas.

Dei as cara por aqui, há tempos não posto, to sem tempo e isso é tão ruim. Como vai? Anda sumido por aqui também!
Beijo

jorginho da hora disse...

Cara, eu acredito. Aliás, eu já tive vontade de lançar uma garrafinha dessas aomar, com o endereço do meu e-mail e o numero do celular, só pra ver onde ela vai parar.

Valeu, gustavo, obrigado pelo apoio!

Um abraço!